sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

A Criação Cênica

PROCESSO COLABORATIVO DE CRIAÇÃO CÊNICA DO GRUPO DE TEATRO UNIVERSITÁRIOS MOSSOROENSE


Raimundo Nonato Santos da Costa[1]

RESUMO: A proposição deste artigo é descrever os aspectos estruturais e históricos que influenciaram na escolha do processo colaborativo de trabalho adotado como modelo para encenação do espetáculo O Segredo da Arca de Trancoso, texto de autoria do pernambucano Luiz Felipe Botelho, montado pelo Grupo de Teatro Universitário Mossoroense – GRUTUM no ano de 2014, com duração de 15 minutos e temporada exibido em pequenas salas, cuja montagem do espetáculo foi realizada utilizando técnicas do teatro de bonecos, respaldada estética e teoricamente nos espetáculos de mamulengos.

Palavras-chave: Processo Colaborativo. Mamulengo. Teatro. Bonecos.


ABSTRACT: The proposition of this article is to describe the structural and historical aspects that influenced the choice of collaborative work process adopted as a model to show the staging The Secret of the Ark of Trancoso, written text of Pernambuco Luiz Felipe Botelho, assembled by the University Theatre Group Mossoroense – GRUTUM in 2014, with 15 minutes duration and season displayed in small rooms, which mount the show was performed using puppetry techniques, supported aesthetics and theory in mamulengos shows.

Key words: Collaborative process. Mamulengo. Theater. puppet.

 

 

Introdução

O projeto Histórias de Trancoso, foi desenvolvido pelo Grupo de Teatro Universitário de Mossoró – GRUTUM, cuja proposta metodológica consistiu em pesquisa de caráter teórico sobre a história do teatro com formas animadas no Rio Grande do Norte, a estética e formas de manipulação, concepção e construção de bonecos, concomitante com realização de laboratórios e oficinas práticas de manipulação, concepção e construção dos bonecos que foram utilizados na montagem do espetáculo.
            Após a produção/elaboração/concepção dos bonecos, adereços e cenários, foram realizadas seis apresentações do espetáculo O Segredo da Arca de Trancoso no Campus Central da UERN, após as exibições, buscando captar o nível de recepção e entendimento a cerca do espetáculo e da dimensão acadêmica, artístico e cultural da proposta, realizamos, com a participação de discentes, docentes, servidores técnicos e de pessoas externas à UERN, rodas de conversas com público-alvo.
Considerando as especificidades da comunidade em que atuam as instituições de ensino superior devem ser potencialmente fomentadoras de políticas públicas, que favorecem, por meio de suas Pró-Reitorias de Extensão a democratização, o acesso e fruição dos bens culturais para as pessoas em geral. Visto por esse ponto, o Grupo de Teatro Universitário de Mossoró – GRUTUM, vinculado a Diretoria de Educação, Cultura e Artes, setor ligado a Pró-Reitoria de Extensão da UERN, vem através de sua atuação artística, desenvolvendo ações que favorecem a democratização do conhecimento e ao mesmo tempo, respeitando e utilizando os saberes populares locais na construção de seus trabalhos cênicos, ampliando o conhecimento de seu elenco.
            Os integrantes do GRUTUM, em sua maioria, são alunos e alunas de diversos cursos de graduação e pós-graduação da UERN, contando também, com integrantes da comunidade não acadêmica em seu elenco. O grupo universitário, entende que a Extensão Universitária deve servir como instrumento de inserção social, aproximando a academia das comunidades adjacentes.
            Se faz necessário que os/as integrantes grupo de teatro da UERN, por meio da atuação cênica, possam através da organização de suas atividades artísticas, agir como disseminadores(ras) de arte e cultura destinando parte de suas atividades à disseminação de sua produção cênica junto à
comunidade e/ou segmentos sociais residentes em bairros periféricos, escolas públicas, entre outros
e, com baixo poder de acesso a bens culturais.
            Com a montagem do espetáculo O Segredo da Arca de Trancoso, inspirado no universo dos contos orais brasileiros e na estética do mamulengo, o GRUTUM apoiou-se na linguagem do teatro de bonecos, adotado como matriz cultural e processo criativo do seu trabalho, utilizando o método colaborativo para criação e concepção espetacular, investindo assim, na formação artística continuada de seus integrantes, buscando sempre a interação entre extensão, ensino e pesquisa como princípio norteador de seu trabalho cênico.



Foto 1: Bonecos de manipulação.

            Sobre o processo colaborativo cabe aqui ressaltar que o termo e a noção de criação em coletivo é secular para o teatro. Presente em relatos de diversos nomes importantes da história do teatro mundial, como por exemplo Shakespeare, Molière e Brecht, entre outros, a noção de processo criativo ou compartilhado é secular quando se trata do teatro popular.
               Não se trata de inovação, mas de uma atualização de práticas, uma vez que o processo colaborativo não é apenas uma sequência de exercício prático de criação, mas um conjunto de procedimentos que busca responder ao momento histórico e social ao qual pertence e que, na prática, cada coletivo teatral utiliza à sua maneira.
            Adélia Nicolete (2003: 206) afirma que: “o processo colaborativo é uma modalidade de construção do espetáculo contemporâneo que se caracteriza, basicamente, pela equiparação das responsabilidades criativas”. O temo processo colaborativo é remanescente do termo criação coletiva muito utilizado pelos coletivos teatrais da década de 1970 e a década de 1980. A criação coletiva vem sendo considerada, por diversos autores, como uma antecedente histórica do processo colaborativo.
               A noção de criação coletiva é inseparável da noção de teatro quanto arte produzida coletivamente. O teatro é por excelência uma arte convergente, porquê uni diversas outras artes a serviço de sua criação, sendo portanto, coletiva em diversos sentidos. Mesmo quando determinados agentes da criação cênica, como por exemplo, o encenador do espetáculo, como aconteceu no Brasil, na chamada de década do encenador durante os anos 1980, exerce suas funções criativas fazendo-a preponderar sobre as outras no direcionamento do trabalho em teatro, o aspecto coletivo inerente ao trabalho teatral se faz presente na cena.
               Antônio Araújo, nos lembra em sua tese de doutorado, que:
A expressão processo colaborativo começou a ser usada na segunda metade da década de 90 dentro de um contexto de retomada do movimento de teatro de grupo na cena paulistana. O retorno desta perspectiva grupal, que aparece quase como um contraponto à hegemonia do encenador no teatro brasileiro da década anterior, vai, pouco a pouco, ganhando uma dimensão nacional.
                                                                       (ARAÚJO, 2008, p. 57).

               Devido ao seu processo de criação e da necessidade de participação ativa do outro, o GRUTUM buscou com o processo colaborativo, promover uma síntese das experiências realizadas em montagens anteriores, mediante a horizontalização das relações entre os criadores do espetáculo, no qual, todos os envolvidos tiveram participação em todas as etapas da construção do trabalho.
              


O COLABORATIVO COMO PRINCÍPIO CRIADOR DE UMA OBRA PLURAL

            Como parte integrante e indissociável da montagem, os integrantes do elenco do GRUTUM, realizaram levantamento buscando identificar e catalogar os “mamulengueiros” do Rio Grande do
Norte. A denominação dos bonecos variam de uma região para outra no Brasil e podem ser chamados de: “Briguela ou João Minhoca em Minas Gerais; Mané Gostoso na Bahia; Mamulengo em Pernambuco e no Rio Grande do Norte de João Redondo”.
            Neste sentido, a curta temporada do espetáculo coadunou os princípios extensionistas da UERN e os do Plano Nacional de Cultura, na medida em que contribui para preservar e difundir a arte e a cultura, promovendo a formação de público, a recepção qualificada e a abertura de espaços para novas produções artísticas.
            A estrutura cênica do espetáculo O SEGREDO DA ARCA DE TRANCOSO, caracterizou-se pela apropriação de linguagem do teatro de bonecos, mais especificamente, do mamulengo, possibilitando aos integrantes do GRUTUM a vivência com o teatro de formas animadas, possibilitando a experimentação da relação dicotômica entre o mamulengo e o mamulengueiro. Esta relação foi bastante explorada na encenação, a partir do estabelecimento de um divertido jogo onde frequentemente se invertiam as posições entre o manipulador e o manipulado.
            Os conceitos de apropriação utilizados neste trabalho referem-se à abordagem estética e conceitual relacionados à encenação, defendida por Alex Beigui em sua tese de doutoramento e, ao conceito proposto por Idelette Muzart F. dos Santos no que se refere às experiências com o texto literário, por considerá-los mais adequado à compreensão da experiência estética e social que o GRUTUM teve ao encenar o texto O Segredo da Arca de Trancoso.
Partindo da apropriação do texto escrito, o espetáculo realizado pelo GRUTUM colocou em paralelo as atribuições de cada um dos participantes no processo de encenação, objetivando alocar todos os agentes envolvidos como criadores a serviço da construção da cena. Esta horizontalidade das relações na construção cênica é geralmente identificada com um princípio básico do procedimento colaborativo. O caráter dialógico do processo da encenação fundamentado nas múltiplas interferências dos diversos agentes da cena na realização do espetáculo foi determinante para concretização da montagem.
No caso específico do GRUTUM, este processo foi resultante da investigação e experimentação dos atores/atrizes com a linguagem do teatro de animação, cujo propósito foi causar impacto positivo no teatro produzido pelo grupo, adotando como norma a utilização de espaços cênicos, que por se tratar de uma experiência nova dentro do seu modo de produção, passou a ser compartilhado e experimentado por todos integrantes, já que o processo colaborativo foi utilizado enquanto método e perspectiva criativa para a montagem do espetáculo.
            A organização, a encenação e a produção do espetáculo foram inspirados pelos princípios do processo colaborativo e na horizontalidade nas relações entre os agentes criativos do espetáculo. Desse modo, o grupo ampliou as possibilidades de construção cênica devido à continuidade da investigação criativa.
A encenação do espetáculo O Segredo da Arca de Trancoso orientou-se pelo processo colaborativo de produção, processo que o dramaturgo Luiz A. Abreu (2003:5) descreve como: “proposta de construção do espetáculo teatral que se caracteriza por uma participação ampla de todos os integrantes do grupo na criação do espetáculo”.
A escolha da metodologia da criação colaborativa empregada no trabalho de montagem do espetáculo foi uma resposta à necessidade de entender o teatro de animação enquanto brincadeira teatral. Entendimento este que representava a busca dos integrantes do grupo e que foi buscado coletivamente por todos/todas.
            A cultura popular e suas brincadeiras, tem sido objetos de debates, reflexões e estudos no meio acadêmico. A partir das brincadeiras, que são ao mesmo tempo diversão e rito social, o GRUTUM buscou as bases para a experimentação do seu “fazer teatral”.
            Brinquedo ou brincadeira é a denominação frequentemente utilizada para designar as manifestações cênicas populares do nordeste nas quais os participantes se consideram “brincantes”, segundo Hermilo Borba Filho (2007: 17), “os próprios participantes dessas manifestações se consideram e se auto intitulam brincantes, definindo a função como Brinquedo ou Brincadeira”.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Ao adotar como metodologia de trabalho o processo colaborativo e ao estabelecer a ponte entre o estudar teatro e relacioná-lo a prática da encenação, logo nos primeiros encontros, fizemos exercícios para estimular tanto a linguagem corporal do elenco quanto exercícios para memória, interpretação, criatividade e voz.
Nas semanas seguintes, focamos na montagem das cenas do espetáculo de forma mais direta. A peça foi projetada para ter como espaço cênico as salas de aula, por isso, todo o cenário foi relativamente de fácil montagem, a dramaturgia e a encenação foram inspiradas pelas manifestações da nossa cultura popular, portanto, bastante coloquial, para possibilitar a fácil compreensão do público.
Optamos por criar um clima de colônia de férias já na encenação do prólogo, trazendo para cena lençóis espalhados pelo chão e todo o elenco vestidos com pijamas. Começamos por deixar os elementos de cena a serem utilizados numa mesa, depois foi observado que ficaria mais dinâmico colocar uma arara para figurinos, de modo que elenco os pegassem de forma natural, como se faz cotidianamente.











Foto 2: Cena do prólogo do espetáculo

Coletivamente criamos em formato de estória para dormir uma narração, feita da forma mais simples e espontânea possível. Utilizamos máscaras para composição de personagens que classificamos como fantásticos e bonecos para os personagens que chamamos de sobrenaturais. As máscaras e os bonecos foram elaborados a partir da realização de uma oficina de construção e manipulação de bonecos e contou com participação de todo o elenco.
Definimos coletivamente os papéis e começamos a ensaiar, nessa fase do trabalho tivemos a oportunidade de colaborativamente ajustar o roteiro de acordo com nossa necessidade, de perceber nossas possibilidades cênicas e de nos orientarmos, um aos outros, sobre como superá-las. A atriz Fernanda V. Mesquita, afirmou em sua avaliação que: “esse foi um dos grandes pontos positivos que percebi no grupo — a capacidade de cooperação — o que nos ajudou a passar por várias adversidades.”
            Concomitante com a montagem do espetáculo, foram organizadas as equipes de divulgação e produção, que ficou responsável pelos figurinos, cenários e o que mais fosse necessário para as apresentações. E aqui cabe registrar que mesmo durante o período de recesso das aulas e das apresentações, o grupo decidiu aproveitar o tempo e a oportunidade, conforme registrado em memória de reunião do GRUTUM, “começar um curso de técnica vocal, visando expandir capacidades e melhorar o trabalho dos atores e atrizes do espetáculo O Segredo da Arca de Trancoso”, bem como em espetáculos futuros.

Considerações Finais
Podemos observar que a partir da experiência vivenciada pelo GRUTUM com o espetáculo O Segredo da Arca de Trancoso o grupo começou a experimentar além da linguagem do teatro de animação, a demonstrar mais cuidado com suas produções cênicas, o que, a nosso ver, representou um avanço para organização interna do grupo. As influências foram mútuas e múltiplas, inclusive pelo embate de ideias acerca da produção teatral e sua função na sociedade local.
            Como metodologia de avaliação utilizamo a técnica de roda de conversa para estabelecermos a relação entre as ações do projeto que chamamos de “Histórias de Trancoso” e as atividades acadêmico, científicos culturais da nossa instituição e sua capacidade de articulação com os demais projetos de extensão em desenvolvimento na UERN na área artístico-cultural de nossa Universidade.
A ocupação de salas de aula como local da encenação para realização do espetáculo, a adoção do processo colaborativo, com sua relação dialógica e participativa entre os integrantes da do GRUTUM durante o processo de montagem do trabalho possibilitaram aprendizados internos e externos, que pela própria dinâmica do trabalho, lhe serviu de base para solidificação do grupo e manutenção dos estudos e das pesquisas.


Referências

ABREU, Luis Alberto de. Debate Dramaturgia De Grupo; O Coletivo Na Dramaturgia; Autores Debatem O Teatro Como Disputa De Pensamento. Jornal O Sarrafo, São Paulo, teatro em debate, número 2, Abril 2003.
AMARAL, Ana. Maria. O inverso das Coisas.Teatro de Animação: boneco, figura ou formas animadas. In: Revista UNIMA BRASIL, Associação Brasileira de Teatro de Bonecos - ABTB Associação Rio de Teatro de Bonecos - ARTB. São Gonçalo, 2007.

ARAÚJO, Antônio. A gênese da Vertigem: o processo de criação de O Paraíso Perdido. Dissertação de Mestrado em Artes Cênicas. Escola de Comunicações e Artes. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2002.
______________ A encenação no coletivo: desterritorializações da função do diretor no processo colaborativo. Tese de Doutorado em Artes Cênicas. Escola de Comunicações e Artes. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2008.
BAKHTIN, Mikail. A Cultura Popular Na Idade Média E No Renascimento: O Conceito De François Rabelais. Trad. Yara F. Vieira. São Paulo: Anna-Blueme/HUCITEC, 2002.

BEIGUI, Alex. Dramaturgia por outras vias: A Apropriação como Matriz Estética do Teatro Contemporâneo – Do Texto Literário à Encenação. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) Programa de Pós-Graduação em Literatura Brasileira, Universidade de São Paulo/USP, 2006.
BOAL, Augusto. 200 exercícios e jogos para o ator e o não-ator com vontade de dizer algo através do teatro. 12. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995. ______, Augusto. Categorias do Teatro Popular, Buenos Aires: CEPE, 1979.

BORBA FILHO, Hermilio. Espetáculos populares do Nordeste. 2. ed. Recife: Fundação Joaquim

BURKE, Peter. O que é História Cultural. 2. ed. Trad. Sérgio Goes de Paula. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.
______. Cultura Popular na Idade Moderna – Europa 1500-1800 – 2. ed. Trad. Denise Bottmann. São 20/12/13 Projeto sigproj.uern.br/projetos/imprimir.php?modalidade=0&projeto_id=1096&local=home&modo=1&original=1 6/9 Paulo: Companhia das Letras, 1989. Campinas, 1998.

COSTA, Raimundo Nonato Santos da. Escarcéu e escassez no teatro de Mossoró: percursos e percalços de uma dramaturgia na rua. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas, Natal, 2011.
GURGEL, Deífilo. Espaço e tempo do Folclore Potiguar. FUNCART(PROFINC). Sec. Do 4º. Natal: Centenário, 1999.

IANNI, Octávio. A Cultura do Povo In. A Cultura do Povo. Coleção de estudos especiais nº 01. São Paulo: Cortez, 1985.
Nabuco/editora Massangana, 2007.

NICOLETE, Adélia. Dramaturgia em Processo Colaborativo e sua Relação com a Criação Coletiva e o Dramaturgismo. In: Anais do III Congressos de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas (Memória ABRACE VII). Florianópolis, 2003.
PAVIS, Patrice. A análise dos espetáculos: teatro, mímica, dança, dança-teatro, cinema. Trad. Sérgio

SANTOS, Fernando Augusto G. Mamulengo: o Teatro de Bonecos Popular no Brasil. In: Móin – Móin: Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas. Jaraguá do Sul : SCAR/UDESC, ano 2, v. 3, 2007.

SANTOS, Idelette Muzart Fonseca dos. Memória das Vozes: Cantoria, Romanceiro & Cordel. Salvador: Secretaria da Cultura e turismo, Fundação Cultural do Estado da Bahia, 2006. Sávia Coelho. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.
VASSALLO, Ligia. O Sertão Medieval: Origens Européias do Teatro de Ariano Suassuna. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1993.

VIEIRA, César. Em Busca de um Teatro Popular. CONFENATA. 3. ed. Santos, 1981.

ZAMBONI, Silvio. A Pesquisa Em Artes: Um Paralelo entre Arte e Ciência. Autores Associados,



[1]Mestre em Artes Cênicas, diretor Cultural na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, nonatosantos.uern@gmail.com

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Nos Confins do Horizonte

Estamos preparando nosso novo espetáculo.
Nos Confins do Horizonte.
O espetáculo é resultante de investigações cênicas e experimentações dramatúrgicas realizadas a partir das memórias do elenco, estruturado em fragmentos dramatúrgicos e poéticas vivenciadas pelos atores e atrizes ao longo dos seus trinta anos de atuação no grupo.
Para encenação do espetáculo, adotamos como processo criativo e metodologia de trabalho a técnica da colagem cênica1, experienciada e experimentada em oficinas e jogos, tendo como suporte estético a dramaturgia produzida pela Escarcéu, enfatizando aspectos artísticos, históricos, socioculturais e a contribuição do grupo para a formação de plateias.



1PAVIS, Patrice. A análise dos espetáculos: teatro, mímica, dança, dança-teatro, cinema. Trad. Sérgio Sávia Coelho. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.
______, Patrice. Dicionário de Teatro. Trad. J.Guinsburg & Maria Lúcia Pereira. São Paulo: Perspectiva, 2007

domingo, 15 de setembro de 2013

O Teatro de Rua



O teatro de rua é um manifesto que utiliza corpo e espaço 
para expressar uma estética própria e integrada ao urbano. 
Nonato Santos (2011: 31)

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Programação Especial para o Mês de Agosto

Agosto da alegria no Escarcéu Ponto de Cultura

Ensaio/Aula de Dança do Ventre 


A companhia Escarcéu abre seus portões durante a programação do “Agosto da alegria” para mostrar as ações culturais que são promovidas pelo Ponto de cultura Escarcéu, com o apoio da Fundação José Augusto e do Governo Federal, bem como, projetos de outros grupos que produzem arte na comunidade. As apresentações relacionadas ao Evento “Agosto da Alegria” começam a partir desta quinta- feira, 15, e segue até o dia 17 (sábado).
A programação “Agosto da Alegria do Ponto de Cultura Escarcéu” está distribuída da seguinte forma: na quinta, 15, às 19h, haverá apresentação do espetáculo “Sala de Reboco” do Grupo de Arte e Cultura Popular, seguida do Grupo de Dança da Escola Hermógenes, exibição
do curta: “Azul e encarnado – uma paixão proibida” e um bate-papo
sobre cultura popular com Nonato Santos.
Na sexta, 16, às 16h, haverá contação de histórias (Escola Hermógenes – Lagoa do Mato), exibição de curta: Cortejo ao pôr do sol, dança com as crianças da Academia Topfit e apresentação da dança do Ventre Ponto Cultura Escarcéu. No sábado, 17, às 17h, intercâmbio com o Ponto de Cultura Mulheres Jovens construindo cultura e autonomia, roda de capoeira da Escarcéu e Confraternização com comidas típicas.
Desta forma, o projeto “Escarcéu o ponto da cultura” pretende despertar adolescentes e jovens para importância de suas ações quanto sujeitos da transformação social, política, educativa e cultural, visando contribuir com a democratização do acesso à formação e participação destes na produção cultural junto às comunidades contempladas.


15 – Quinta-feira 
Apresentação Sala de Reboco GACP Grupo de Arte e Cultura Popular
(19h) – Exibição de curta: Azul e encarnado – uma paixão proibida(19:20h) – Bate-papo sobre cultura popular com Nonato Santos
(20:00h) – Grupo de Dança da Escola Hermógenes
16 – Sexta-feira
(16h) – Contação de histórias ( Escola Hermógenes – Lagoa do Mato)
(19h) – Exibição de curta: Cortejo ao pôr do sol
(19:20h) – Dança com as crianças da Academia Topfit
(19:40 ) – Dança do Ventre Ponto Cultura Escarcéu.
17 – Sábado
(19:30h) – Dança com as crianças da Academia Topfit
17 – Sábado
(17h) – Exibição de curta: Do Ponto de Cultura Mulheres Jovens construindo cultura e autonomia.
(17:30h) – (18:00h) – Capoeira Escarcéu
Confraternização com comidas típicas

Escarcéu o Ponto de Cultura
O projeto “Escarcéu o ponto da cultura” pretende despertar adolescentes e jovens para importância de suas ações quanto sujeitos da transformação social, política, educativa e cultural, visando contribuir com a democratização do acesso à formação e participação destes na produção cultural junto às comunidades contempladas.

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Escarcéu de Teatro comemora 27 anos de companhia

Espetáculo Ciganos 
(foto de Simone Genuino)

A Escarcéu de Teatro comemora, nesta semana, 27 anos de companhia. E na sexta, 12 de julho, realizará uma programação especial com apresentação do grupo Nóis de Teatro (Fortaleza-Ceará) seguida de um bate-papo sobre o fazer teatral com os artistas da cidade de Mossoró na praça do Memorial da Resistência a partir das 17:30h.
Fundada em 08 de julho de 1986, a Cia Escarcéu traz como bandeira a democratização do acesso ao teatro através da montagem de espetáculos cuja encenação e opção cênico-espacial permitam ser realizados em espaços abertos públicos. Como gestora e produtora de artes cênicas e imbuída pelo desejo de facilitar o acesso à cultura artística, a Escarcéu estende as suas ações aos mais diversos estratos das camadas sociais.
Em 27 anos de arte teatral, a Escarcéu andou por diversos bairros da cidade, executou várias turnês pelo Nordeste, participou de diversos festivais nacionais e um internacional (Chile, 2011) levando o nome de Mossoró para o mundo, primando por um teatro de linguagem contemporânea que se apropria dos elementos estéticos das manifestações da cultura popular e privilegiando em suas montagens a comicidade, ludicidade e a brincadeira como linguagem em seus trabalhos cênicos.
Para celebrar o aniversário do grupo, a Escarcéu, com apoio da Prefeitura Municipal de Mossoró através da Secretaria de Cultura, fará uma programação aberta e gratuita nesta sexta, 12, no Memorial da Resistência às 17:30h com a apresentação do espetáculo “O que mata é o costume” da Cia. “Nóis de Teatro” – Fortaleza/CE e em seguida fará uma conversa sobre a arte de fazer teatro com os artistas mossoroenses.
O espetáculo “O que mata é o costume” é uma livre adaptação de “Aquele que diz sim, Aquele que diz não” de Bertolt Brecht, que discute as relações humanas conduzidas e definidas a partir das escolhas. A encenação usa recursos eletro-pops e traz aspectos que discutem também a necessidade e utilidade das mídias e eletrônicos na atual sociedade.

Comemoração de 27 anos Escarcéu
Programação:
- Apresentação Nóis de Teatro: 17:30h
- Bate-papo sobre o fazer teatral com artistas da cidade: 18:30h
- Hora/Local: 17:30h no Memorial da Resistência.

sábado, 8 de junho de 2013

Pastores de uma Nova Possibilidade


Amigos

Não nos coloquemos banidos e vitimizados.   Afirmemos a importância e a função social de nossas atividades no mundo em que vivemos. Lutemos pelas leis. O reconhecimento e confirmação de nossos direitos de livre expressão forçará o poder público a repensar a questão, como no Rio de Janeiro.   

Brasília tem uma lei igual a do Rio, assim como Niterói, Teresópolis, Cabo Frio no interior do Estado.

São Paulo também tem  projeto de lei em andamento, no mesmo sentido daquela do Rio.

O movimento é nacional. Os vereadores  e deputados precisam ser informados. O reconhecimento legal impulsionará o movimento por criação de políticas públicas para as Artes públicas.  A lei não nos concede nenhum privilégio, ela  apenas reconhece nossos direitos. Não vamos esperar as leis para agir. Vamos ocupar as praças cada vez mais e revelar as contradições de nosso frágil sistema pseudo-democratico.

Conheçam as leis do Rio, de Brasília e de São Paulo.  Se apresentem como artistas públicos com um importante papel no drama, na comédia e na tragédia brasileira, desmistificando a  farsa. Não esmoreçam. Não é uma questão particular.  É uma questão pública.

Somos pastores de uma nova possibilidade.

Meu afeto e solidariedade
Amir Haddad

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Encerramento de Temporada

A temporada 2013 do espetáculo Ciganos será concluída na cidade de Areia Branca.
Foram 17 apresentações em 15 cidades do nordeste. Voltaremos a relatar nossa atividades.

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Rumo à Pernambuco



Projeto “CIGANOS”/ Turnê nordeste/2013
Ultimas apresentações
Arco Verde/PE dia 11 de Maio. Às 18 horas na Praça da Bandeira.
Olinda/PE dia 12 de Maio. Às 17 horas no Alto da Sé
Patrocínio: Prêmio Funarte de Artes Cênicas na Rua.

Ficha técnica
Espetáculo: CIGANOS
Modalidade: Rua
Gênero: Épico
Direção e Dramaturgia: Nonato Santos
Assistência de Direção e Músicas: Roberlilson Paulino
Figurino: Lenilda Sousa
Execução Musical: Alan Barboza (convidado)
Maquiagem: Savana Tomaz
Produção: Escarcéu
Assessoria de Imprensa: Jeane Meire e Camila Paula
Projeto Gráfico: Camila Paula e Nonato Santos
Elenco:
Lenilda Sousa
Nonato Santos
Roberlilson Paulino
Savana Tomaz
Camila Paula
Elenco de apoio:
Caio Medeiros
Jeane Meire
Lígia Morais
            

A Companhia Escarcéu de Teatro se preparando para finalizar mais um projeto dentro de sua trajetória de 27 anos de atuação. “Ciganos” da Cia Escarcéu, foi um dos 73 projetos aprovados pelo prêmio Funarte Artes Cênicas na Rua, na modalidade “projetos circulação de espetáculos de rua”. Das 15 apresentações previstas em cidades do Nordeste, distribuídas pelos Estados do Pernambuco, Ceará e Paraíba, faltam somente as do Estado de Pernambuco.
A companhia já vinha apresentando seu espetáculo em bairros de Mossoró durante o ano de 2012. O edital da Fundação Nacional de Artes (funarte) premiou iniciativas de artes para rua de todos os Estados brasileiros. O objetivo do programa é fomentar atividades que busquem, nas apresentações de rua, um novo significado para o espaço público. Como é um edital de abrangência nacional, 73 grupos de diversos estados brasileiros receberam o prêmio. Entre estes a Cia Escarcéu de Teatro.
Ciganos
O espetáculo é uma criação colaborativa baseada em vivências estéticas desenvolvidas pela Companhia Escarcéu como princípio criativo. Contando com a participação de atores e atrizes experientes e de jovens iniciantes egressos do curso de teatro oferecido pelo Ponto de Cultura da Escarcéu, a dramaturgia foi fruto de um trabalho que reuniu um conjunto de técnicas cênicas que teve a participação de todos os integrantes do elenco, sob a orientação do Mestre em Artes Cênicas Nonato Santos, que também assina a versão final do texto. A música do espetáculo foi composta pelo ator e percussionista Roberlilson Paulino, os figurinos são da atriz/figurinista Lenilda Sousa e a coreografia do espetáculo é assinada por Sadraque Tavares. 
O Espetáculo CIGANOS representa a experimentação de novos caminhos e linguagens teatrais. O espetáculo mostra a riqueza cultural de um povo nômade que há séculos caminha pelo mundo compartilhando experiências e conhecimentos.